Factos e curiosidades…

ilustração com a palavra confidencialA 14 de agosto de 1963, Francisco de Paula Leite Pinto enviou um relatório confidencial para António Magalhães Ramalho, diretor do Instituto Nacional de Investigação Industrial, no âmbito das reuniões do Conselho Consultivo da Junta de Energia Nuclear.

O relatório incidia sobre a política nuclear no contexto internacional, e frisava as lacunas estratégicas nacionais na área, no que respeitava à extração de urânio, nomeadamente a necessidade de produzir concentrados de óxido de urânio de elevada qualidade, e também na necessidade de investir na qualificação de profissionais a nível científico e técnico.

Enquadra-se no espírito de desenvolvimento da energia nuclear para fins pacíficos, em voga na época. Ao longo dos anos 60 e 70, foram vários os programas nucleares iniciados em países ocidentais, promovidos pelo interesse gerado na produção de electricidade a partir de fontes alternativas de energia.


Destaques

Logo do Encontro curadoria digitalEncontro Curadoria Digital
Já se encontram disponíveis as apresentações do “Encontro Curadoria Digital: estratégias e experiências”, que teve lugar no passado mês de junho. Este encontro contribuiu para o conhecimento do estado da arte e para a implementação de boas práticas.

 

Logotipo do grupo de trabalho da BADGrupo de trabalho de Sistemas de Informação em Museus
No dia 30 de setembro realiza-se, no Instituto Superior de Engenharia do Porto, a Conferência do Grupo de Trabalho de Sistemas de Informação em Museus da BAD. Um dos propósitos do evento é facultar informação, formação, materiais de trabalho e bibliografia aos profissionais dos museus.

 

Detalhe de pastas do arquivo da KGBArquivos da KGB, na Ucrânia, disponíveis para consulta
O ACT destaca a entrevista, publicada no site de informação Meduza, à historiadora Nikita Petrokv. Especialista em repressão durante a era soviética, Petrokv fala sobre a recente lei ucraniana que permitiu o acesso aos arquivos dos órgãos de repressão do antigo regime soviético, entre 1917 e 1991. A Ucrânia dá, assim, um grande passo no acesso à informação dos arquivos.

 

Fotografia de HerrediaFundación Documentación Entrevista a Antonia Heredia Herrera
A arquivista e historiadora Antonia Heredia Herrera foi recentemente entrevistada pela Fundación Ciencias de la  Documentación. Entre outros assuntos, Herrera reflete sobre as competências dos profissionais da informação, as necessidades mais urgentes dos arquivos nos dias de hoje e o futuro da profissão.